5 EVIDÊNCIAS QUE DEMONSTRAM A EFETIVAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO

No momento em que uma organização se volta para o planejamento estratégico do próximo período todos ficam a “mil por hora”, buscando fechar os relatórios anuais, e levantando documentos e opiniões sobre as tendências de mercado para os próximos anos. Nestes momentos percebemos um grande problema que enfrentamos anualmente e que impactará diretamente na estratégia de nossa empresa: apenas cumprirmos a tarefa de realizar o planejamento estratégico de nossa empresa.

O colunista Pedro Luiz Roccato afirma que “o exercício de planejamento estratégico deve ser algo prazeroso. Uma atividade estimulante de pensar o nosso futuro e o da empresa.”. Isto porque tratá-lo como uma tarefa que atrapalha as demais atividades, mas que precisa ser cumprida, só contribui para que as coisas não andem bem e que o resultado de uma jornada que deveria impulsionar a empresa adiante seja visto como um gasto desnecessário e ineficaz.

O resultado disso é que o plano estratégico acaba como um monte de papel encadernado e jogado no fundo de várias gavetas, esquecido até o próximo final de ano ou para sempre (… se a direção tiver o bom senso de deixar essa perda de tempo de lado).

Esse é o grande problema enfrentado pelos estrategistas da maioria das empresas: como transformar o calhamaço de papel gerado no planejamento estratégico em ação. Se as estratégias não estiverem gravadas em nossos corações e fizerem parte de nosso cotidiano, nada será efetivo. Os melhores planos serão frustrados. Mas, como podemos saber se temos a estratégia no coração? Em minha opinião devemos observar as evidências que demonstram a efetivação daquilo que foi planejado:

1) Os executivos da sua organização estão cuidando dos objetivos estratégicos?

Estratégia1Quando o planejamento foi feito com o objetivo claro de desenvolver a organização e teve o comprometimento do grupo que a dirige, cada um desses executivos assume um compromisso de cuidar dos objetivos estratégicos e orientar a sua equipe para o cumprimento das ações definidas no planejamento.

Agindo dessa maneira os executivos dão exemplo e demonstram a seriedade das decisões tomadas nas atividades de planejamento, o que gera uma ideia firme sobre a importância de cumprir o que foi estabelecido no plano.

2) Sua organização estampou o mapa estratégico em pontos chaves, para que todos o vissem?

download (2)O mapa estratégico é o resumo gráfico de todo planejamento e deve ser divulgado em pontos estratégicos da empresa para que sirva de lembrança sobre os caminhos a seguir. Essa ferramenta combinado com a comunicação da visão, missão e valores da organização servem de estimulo visual aos colaboradores que não participaram da jornada de planejamento, mas sabem o que significa cada uma dessas mensagens, pois foram inteirados delas pelos seus líderes.

3) Os gestores estão acompanhando e avaliando os indicadores estratégicos, cotidianamente?

0009A bússola do planejamento estratégico são os indicadores estratégicos. A avaliação cotidiana dos resultados dos indicadores permite uma clara visão sobre os rumos da estratégia. Esses números tornam tangíveis alguns objetivos não financeiros (e os financeiros também) que temos dificuldade em medir de forma objetiva. Esse conjunto de indicadores é o scorecard, que representa o painel de instrumentos (cockpit) do nosso negócio.

Quando estamos viajando o painel de instrumentos de nosso carro serve para nos indicar como andam as coisas, e que medidas devemos tomar, para que a viagem seja tranquila e, também, para que possamos cumprir as metas (alvos) determinadas no plano de viagem. Na empresa é a mesma coisa: olhando para o painel podemos verificar onde é mais necessária a nossa intervenção e como cada ação estratégica está impactando nos objetivos da organização.

4) Os colaboradores conhecem as estratégias e as suas atividades estão alinhadas com elas, cumprindo os planos de ações elaborados pelos gerentes?

img_42589fb36c591a4dce837a07b95b111cCom base no plano estratégico cada gestor do nível tático (geralmente um gerente) deve comunicar aos seus colaboradores os rumos e objetivos que a organização estabeleceu para que todos saibam quais são suas estratégias e possam compreender o mapa que será divulgado, assim como sua visão, missão, valores e posicionamento.

Essa comunicação precisa comprometer as pessoas com os objetivos e ensinar-lhes qual o papel delas nesse movimento estratégico da empresa. Quanto mais compreenderem como contribuem para a efetivação da estratégia mais elas se sentirão parte de algo importante.

Outra tarefa desses gestores é elaborar (de preferência com a participação de seus liderados) um conjunto de ações estratégicas, que devem colaborar para que os objetivos constantes do mapa estratégico sejam atingidos. Essa é a forma de colocar a estratégia em prática, transformando-a em ação efetiva. As ações são a forma de cada colaborador perceber que participa da execução estratégica.

5) Periodicamente, em intervalos curtos, a direção da organização se reúne e avalia os resultados das ações estratégicas e as tendências apontadas pelos indicadores?

fortecAs ações estratégicas precisam conduzir a organização na direção de seus objetivos e, principalmente, da sua visão. A verdadeira condução estratégica dos negócios só é possível se o scorebord servir ao propósito de municiar a alta direção de informações relevantes para tomada de decisão sobre os rumos da organização. Para tomar decisões é preciso que a cúpula da empresa aprecie e avalie os resultados obtidos pelo desenvolvimento das ações estratégicas. Então, monitorar esses resultados é a tarefa número um da alta direção.

Essa avaliação precisa ser feita como parte do processo de gestão da empresa e não como mais uma tarefa de um departamento qualquer. Também é necessário que seja feita a períodos regulares de tempo e, pelo menos duas vezes ao ano, deve gerar um relatório que é apresentado a todos da organização, como uma prestação de contas sobre os resultados da estratégia empregada.

Se esses cinco pontos estiverem presentes no seu dia-a-dia, é sinal que sua empresa conseguiu transformar a estratégia em ação e integrá-la aos processos cotidianos. Caso apenas parte deles esteja incluída na sua rotina, reforce-os e implemente o que falta, mas sua organização também está de parabéns, pois já se encontra no caminho certo, o de importa-se com o que é fundamental.

Se você ainda termina seu planejamento estratégico, imprime um caderno com as ações e coloca em uma gaveta, quer dizer que você ainda carece de alguma orientação sobre a maneira de superar a inercia inicial e agir para que sua empresa se desenvolva.

anuncio newsletter


Originalmente publicado no Blog da Ninho Desenvolvimento Empresarial

Jeferson Sena é sócio-diretor da Ninho Desenvolvimento Empresarial, especialista em projetos de organização e reestruturação de empresas, desenvolvimento, implementação e gestão de planejamento estratégico.

Anúncios

TERCEIRIZAÇÃO COMO AÇÃO ESTRATÉGICA

As últimas semanas foram marcadas por debates sobre a votação do Projeto de Lei 4330/04, que trata sobre contratos de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. Acredito que tal polêmica, principalmente no que diz respeito a possibilidade de terceirização das atividades-fim das empresas, deve-se muito mais à possibilidade de alteração de condições socioeconômicas periféricas à terceirização do que às suas repercussões diretas. Isto porque, a terceirização das atividades finalísticas de muitos segmentos empresariais já foram entregues a terceiros. Uma estratégia que chamo de segmentação da cadeia produtiva.strategy_edit2

Ao avaliarmos a possibilidade de terceirização de qualquer parte da operação de uma empresa, é necessário considerar os seguintes fatores:

– A terceirização otimizará os custos totais da operação?

– A qualidade final do produto ou serviço resultante da operação será melhorada?

– A terceirização pode contribuir para a melhoria do processo operacional?

– Haverá redução significativa do tempo total da operação com a terceirização?

Respostas positivas para esses fatores implicam em melhorias significativas para as condições competitivas do negócio. Mas estes não são os fatores decisivos para caracterizar a terceirização como uma medida de valor estratégico relevante, uma vez que podem ser igualados pelos demais competidores.

O que pode realmente faz grande diferença é o quanto as ações terceirizadas podem agregar valor diferenciado ao negócio ou produto. Isso se caracteriza pela apropriação de tecnologias inovadoras, que possam lançar a organização à frente dos seus concorrentes e não possam ser facilmente imitadas.

Há quem costume dizer que qualquer atividade pode ser terceirizada, desde que ela não seja estratégica para o negócio, mas essa não é uma prática efetiva nos mercados. A verdade é que qualquer parte da operação pode ser terceirizada, desde que reverta em melhoria das condições competitivas da empresa, aumentando a capacidade de geração de valor para o seu cliente final e criando uma vantagem relevante frente aos demais competidores.

Um exemplo disso é o que ocorre na indústria de construção. O processo construtivo era executado por uma única empresa, que mobilizava uma enorme quantidade de mão-de-obra para atender todas as atividades inerentes a execução de uma obra.

Um custo enorme era gerado pela alta rotatividade de trabalhadores, resultante da evolução da obra, uma vez que as etapas se sucediam e profissionais de outros tipos e especialidades eram requisitados. A terceirização era a solução mais evidente para a questão e ela foi implementada de maneira bastante simples, em função da segmentação da cadeia produtiva da construção.

Hoje a construtora pode contratar uma empresa especializada para cada etapa ou atividade da obra, contando com pessoal muito mais especializado e reduzindo o custo total da operação. Observem os serviços que podem ser contratados pela construtora:

– Limpeza de terreno e terraplanagem;

– Serviços de carpintaria;

– Serviços de armação;

– Serviços de processamento e lançamento de concreto;

– Serviço de levantamento de paredes;

– Serviços de instalações elétricas, hidrosanitárias e de elevadores;

– Serviços de revestimento e pinturas;

– Serviços de limpeza final da obra e remoção de entulhos, entre outros.

Este conceito foi concebido originalmente pela indústria automobilística, que desenvolveu uma cadeia produtiva capaz de especializar a construção de componentes específicos dos veículos, distribuindo as responsabilidades de pesquisa e desenvolvimento de produtos ao longo dessa cadeia. O salto de qualidade oportunizado por essa estratégia possibilitou uma melhoria que impactou toda a indústria automobilística, mundialmente.

A segmentação da cadeia produtiva pode racionalizar os custos totais, melhorar a qualidade dos produtos ou serviços, incorporar agregado tecnológico relevante para a competição e crescimento da rentabilidade financeira. O que demonstra a eficácia da terceirização, se feita com inteligência e visão estratégica.

Para as empresas que pretendem adotar uma estratégia de terceirização de parte de suas atividades, sugiro uma atenção para os seguintes pontos:

– Avaliar o impacto real da terceirização na operação da empresa e análise detalhada dos resultados advindos dessa estratégia;

– Seleção criteriosa da empresa prestadora de serviços, com averiguação de seu histórico de serviços, de eventuais pendências fiscais e tributárias, idoneidade financeira e a existência de demandas judiciais;

– Especificação clara e minuciosa do objeto da terceirização, bem como das obrigações e responsabilidades das partes;

– Exigir garantias de responsabilidade civil, trabalhista e comercial da prestadora, para custear condições anômalas que possam afetar a continuidade da prestação de serviços;

– Estabelecer processos de controle para garantia da qualidade dos serviços e produtos oriundos da terceirização;

– Garantir que não existe submissão dos colaboradores da contratada a nenhum preposto da contratante;

– Monitorar, ao longo da prestação dos serviços, a saúde econômica, financeira e tributária da contratada, para garantir a continuidade operacional do seu negócio;

– Esteja assistido por um advogado, de preferência especialista nesse tipo de contrato.

Também é muito importante lembrar que o que a empresa deve buscar com uma estratégia de terceirização, não são ganhos de ordem financeira; o objetivo é conseguir ampliar as condições competitivas do negócio.

Publicado originalmente no Blog da Ninho Desenvolvimento Empresarial

Jeferson Sena é sócio-diretor da Ninho Desenvolvimento Empresarial, especialista em projetos de organização e reestruturação de empresas, desenvolvimento, implementação e gestão de planejamento estratégico.